A Magia do Teatro

Em 60 minutos se faz a representação da peça de teatro.
Ao longo de efêmeros 60 minutos, o elenco dá vida para um texto, para, logo, tudo acabar!
As luzes se apagam, o palco fica vazio.
Porquê então, tanto trabalho para apenas 60 minutos?
Tanto tempo a ensaiar, parar, repetir, dar ideias, fazer e desfazer!?
Tanta dedicação para 60 minutos!
Tanto tempo para uma plateia de algumas dezenas de espectadores, quando o cinema chega a milhares de espectadores sem limites de tempo e espaço.

Afinal que magia é esta que nos prende ao teatro?

Imaginar, fugir ao real, 
Experimentar ser outro, para se encontrar.
O corpo precisa descansar, mas o cérebro teimoso noite e dia a pensar!
Como comunicar?
Finalmente o pavor do palco que seduz! O medo de falhar contra a vontade de avançar!

Subitamente a confiança na equipa.
O sangue parece correr com mais força nas veias, o coração pula desenfreadamente:
Agora? É minha vez de entrar? Já não sei o que vou dizer! Onde é que eu fui me meter? Será que o público vai gostar? 

Eis que entram e têm presença, até o Ponto e o Sonoplasta, apreciando a representação, se distraem da sua função.
Os aplausos finais enchem a sala de calor humano. O medo desfaz-se. Neste momento sentimos se valou a pena todo o esforço para aqueles 60 minutos. E é tão gratificante quando sentimos que valeu!

Depois a vida retoma o seu curto, voltamos à rotina. Mas a vida agora tem outro sentido: 
Enriquecida pela bonita relação que floresce entre todos os elementos do grupo; iluminada pela simpatia de muitos e fortalecida pela certeza da amizade e da confiança daqueles que, sem interesse ou lucro, estão sempre presentes, prontos para apoiar nos momentos mais difíceis e que não nos deixam desanimar. 

Em 60 minutos, acontece!